Pele e emoções: quais as influências?

Pele e emoções: quais as influências?

A ligação entre pele e emoções existe e é por esse motivo que você fica vermelho quando está com raiva, ou surgir espinhas quando está estressado.

Aliás, a pandemia do Covid-19, que desencadeou cargas de ansiedade nas pessoas, fez surgir também mais acnes e rugas. São as emoções da pandemia afetando também sua pele.

Em geral, sentimentos negativos e angustiantes são os responsáveis por alguns problemas de pele. E é sobre eles que falo no artigo a seguir. Confira e saiba como!

A pele temperamental

Quando enfrentamos algo estressante, as glândulas adrenais secretam diversos hormônios. Entre eles estão o cortisol, epinefrina e pequenas quantidades de testosterona.

Por exemplo, elas desencadeiam uma cascata de reações que podem levar ao excesso de produção de óleo, diminuição da imunidade (que pode estimular herpes labial e psoríase) e aumento do sangue nos vasos (que podem causar olheiras e inchaço).

Quando esse estresse é passageiro, podem surgir espinhas. Porém, essa elevação de cortisol dura dias ou semanas, é mais comum surgirem doenças inflamatórias da pele como acne, eczema e psoríase.

O cortisol também pode provocar o ressecamento da pele, além de torná-la mais sensível. Além disso, esse hormônio decompõe o colágeno da pele, o que pode causar rugas. E retarda a renovação das células da pele, que geralmente acontece a cada 30 dias.

Além disso, pesquisa mostrou que o cortisol pode reduzir o metabolismo energético das células da pele em até 40%. Portanto, reduzir sua capacidade de responder ao estresse e aos danos resultantes.

Leia também::: Alimentação para a pele: quais as melhores opções?

Melhorando sua conexão mente-pele.

Embora nem todos reajam da mesma maneira a ter um problema de pele, nem reajam emocionalmente através de sua pele, os dados sugerem que, em algumas pessoas, a criação de um plano de tratamento que aborde o gerenciamento médico da fisiologia da pele e também da saúde mental otimizará o resultado.

Faz sentido, então, que uma comunicação bidirecional entre o cérebro e a pele pode causar problemas tanto para o que aparece na pele quanto para como respondemos a isso.

O campo da psicodermatologia divide os transtornos em três categorias gerais e às vezes sobrepostas:

1. Psicofisiológico: como nossa mente afeta nossa pele

Condições de pele que têm uma base fisiológica, mas são conhecidas por serem afetadas por estresse e outros fatores emocionais, como acne, queda de cabelo, psoríase, urticária e hiperidrose (suor abundante) se enquadram nesta categoria.

2. Psiquiátrico secundário: como nossa pele afeta o humor

Condições que são cosmeticamente desfigurantes ou potencialmente estigmatizantes como vitiligo, psoríase ou acne grave podem criar sentimentos de humilhação e vergonha. Causar ansiedade e depressão, e corroem a autoconfiança e a auto-estima. 

Um estudo, por exemplo, descobriu que havia um aumento no número de internações hospitalares secundárias a transtornos mentais primários com acne ou rosácea coexistentes.

3. Psiquiátrico primário: como nosso humor afeta nossa pele

Desordens de pele como puxões crônicos de cabelo (tricotilomania), danos autoinfligidos à pele (dermatite artefacta) e uma crença de que o corpo está infestado de organismos (delírios de parasitose) são sintomas de um distúrbio psiquiátrico subjacente. 

O manejo dessas condições requer uma abordagem multidisciplinar, incluindo cuidados dermatológicos e psiquiátricos.

Ajude sua pele a relaxar

Tomar medidas para controlar suas emoções pode ajudar a lidar com as reações cutâneas que elas estimulam.

A emoção negativa mais comum que você enfrenta é o estresse diário de ser puxado em um milhão de direções. É imperativo encontrar maneiras de compensar isso.

Sentir-se alegre também pode se manifestar fisicamente. Mas para casos em que algo positivo acontece, você obtém a liberação de produtos químicos como endorfinas, oxitocina, serotonina e dopamina, os chamados hormônios do bem-estar.

Eles foram menos estudados em termos do que fazem à pele, mas acredita-se que eles tenham um efeito na função de barreira, ajudando nossa pele a se manter melhor hidratada e parecer mais radiante.

Leia também::: Exercício físico e saúde da pele: qual a relação?

Sinta-se bem!

Por isso, evite sentimentos negativos, o estresse e a ansiedade, e procure manter sentimentos positivos. Dessa forma sua pele pode se tornar mais radiante, com brilho, ter menos rugas, e você também se sentirá muito melhor!

Portanto, pratique atividades de relaxamento, como yoga, meditação e pratique a atenção plena. Isso ajuda você a conhecer melhor seu corpo e evita que eventos estressores causem danos à sua mente e à sua pele.

Espero que tenha gostado do artigo sobre pele e emoções. E caso queira receber mais dicas e informações diretamente em seu email, assine minha newsletter. É só clicar no botão abaixo!